"As sete regras de ouro da Ecocardiografia", por Dr. Nathan Herszkowicz.
leia mais

Ecocardiografia na Prática Clínica. Problemas e Soluções.
leia mais

Curso de Ecocardiografia para médicos intensivistas
leia mais

 

Área da valva mitral (PHT)

A área da valva mitral estenótica pode ser aferida através de vários métodos. O mais utilizado é o método de Hatle, ou tempo da média pressão (PHT, de pressure-half-time). Baseia-se no conceito que estabelece que, para uma área mitral de 1 cm², a pressão (gradiente átrio-ventricular) demora 220 ms para cair até a metade. Assim, Área Mitral = 220 / PHT.

Para medir a área mitral por este método procede-se da seguinte maneira:


1- Na posição apical de 4 ou 2 câmaras alinha-se o fluxo diastólico através da valva mitral (Doppler colorido) com a linha do Doppler contínuo ou pulsátil.

2- Obtido um traçado espectral de boa qualidade, usando o comando PHT ou Mitral área do equipamento, tangencia-se a rampa diastólica.

3- Aproveita-se este traçado para calcular as velocidades máxima e média e, consequentemente, os gradientes máximo e médio da valva mitral, desenhando-se sobre o traçado com o cursor do equipamento no modo Trace.

  

No exemplo acima, o PHT foi estimado em 422 ms, portanto, a área mitral é 220/422 = 0,52 cm².

Área mitral pelo TDA: outra forma de calcular a área mitral é pelo tempo de despressurização atrial (TDA), que vai do pico da velocidade até a projeção da rampa diastólica na linha de base. A fórmula para o cálculo é: AVM = 751 / TDA.

Classificação da estenose mitral conforme a área, gradiente médio e hipertensão pulmonar (ACC/AHA Guidelines, JACC 2006, 48:598-675).

Parâmetro Discreta Moderada Importante
Gradiente médio (mmHg) < 5 mmHg 5-10 mmHg > 10 mmHg
Área valvar (cm²) > 1,5 cm² 1,0-1,5 cm² < 1,5 cm²
Pressão pulmonar sistólica (mmHg) < 30 mmHg 30-50 mmHg > 50 mmHg

Quando não deve ser usado o método do PHT

1- Retardo importante do relaxamento ventricular (alteração do relaxamento com aumento da onda A). O PHT subestima a área.

2- Alterações do acoplamento átrio-ventricular (bloqueios A-V de 1ro. e 2do . grau). O fechamento precoce mitral altera a rampa diastólica.

3- Duplo enchimento ventricular (insuficiência aórtica). Interfere na rampa diastólica.

4- Regurgitação mitral significativa. Altera a porção inicial da rampa (imagem em ski).

5- Taquiarritmias (FA, TPSV, TV). Rampa muito curta ou irregular.

Nestes casos usar outros métodos: equação de continuidade, PISA.

voltar

 
 
 
 
Cursos Unieco - Direção: Nathan Herszkowicz
Rua Peixoto Gomide 515 Conjunto 54 - Centro Médico Peixoto Gomide
Cerqueira Cesar (Metrô Trianon) - CEP: 01409-001 - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3758-3381 | (11) 3596-3337
Desenvolvimento: Interpágina